quinta-feira, abril 07, 2005

O grupo mais nunca devidamente valorizado de sempre

As boas ideias são assim. Partilhadas.
Vem isto a propósito do livro que me vai enchendo os dias, chama-se «The Smiths: Songs That Saved Your Life», citação directa do Rubber Ring, indirecta deste Blog, que é tido e achado nesta mania de celebrar as heresias mancunianas.
Uma por uma, página por página, desfilam as canções dos The Smiths e todas as suas circunstâncias. Quando digo todas, são mesmo todas: as inspirações, a geografia, o boletim clínico de cada um dos músicos, tons, acordes e pentatónicas, a cor das meias e as preferências na área mais específica da fruta.
Como é que se descobrem estas coisas?
Por puro fanatismo.
Mas nada é equilibrado quando falamos dos Smiths, senão confiram:

"What is it about the Smiths that prompts otherwise sane men to take an 80s youth that heaven knows was miserable then and turn it into a memoir?"
--Austin American-Statesman, 10/17/04
É oficial, o mundo não só nunca vai ouvir-nos, como dificilmente nos compreenderá.