segunda-feira, maio 02, 2005

Mr. Oak


swordthumb
Originally uploaded by cg.


Soube agora que o Sr. Carvalho fechou. Tenho pena.
O Sr. Carvalho é proprietário centenário de uma papelaria perto da casa dos meus pais. Tinha por prática corrente vender pilhas velhas como se fossem novas. Também vendia os suplementos dos jornais e revistas, aqueles que trazem estampado: « é proibido vender separadamente».
Quando chegou o euro, chegaram os dias de glória do Sr. Carvalho. Os preços eram completamente aleatórios, como, estou certo, ele sempre achara que deviam ser num pais livre.
O Sr. Carvalho é o retrato de uma época que vai morrendo – do comerciante à portuguesa, - quando o cliente tinha sempre razão e, por isso, se o cliente comprava canetas ou fita cola usada era porque queria canetas ou fita-cola usada.
Era fiel a uma ética que já não há, jogava com o cliente. Se aparecíamos a protestar, devolvia prontamente o dinheiro e pedia desculpa – sabia perder.
O Sr. Carvalho deixou descendência. Alguma óbvia, como a PT, outra não tão esperada como o Morrissey e os Belle & Sebastian.
O Sr. Stephen Patrick, lançou nada mais do que 3 edições do seu último disco, acrescentando em cada mais um brinde de interesse nulo. Claro que os parvos, como eu, compraram todas. Não vale a pena.
Os Escoceses (é por isso, são escoceses), atarefados com as deslocações à Palestina para resolver a crise em conjunto com o Mourinho, decidiram que dava menos trabalho juntar os singles todos num disco, do que fazer aquilo para que lhes pagam os contribuintes: escrever, tocar e gravar.

Só agora percebi, foi o Sr. Carvalho a primeira estrela pop que conheci.

CG

3 Comments:

Blogger Natacha said...

sem dúvida uma estrela pop :o)
O sr. carvalho tb faz parte do meu imaginário infantil e claro q a minha representação é muito semelhante à tua. No fundo, o sr. carvalho é um marco fundamental para o processo societal de qualquer cidadão do mundo!!!

2:04 da tarde  
Blogger FDV said...

só faltou ficar a par das eventuais sonoridades que ecoavam pela aleatória papelaria do senhor carvalho.

cumprimentos aos quase famosos [extensíveis ao senhor carvalho].

12:01 da manhã  
Anonymous SG said...

Ainda por cima era um homem moderno! A quem, como eu, insistia em comprar no bairro, no chamado pequeno comércio, que de facto não soube modernizar-se nem adaptar-se, quase insultava e mandava ir comprar lá onde a escolha é grande e diversificada!

7:36 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home