domingo, outubro 23, 2005

A camisa de alças do baterista dos Pixies



Deve ser uma febrezita de mudança de estação - ando numa de DVD’s musicais. Primeiro vi uma coisa brazuca sobre os Cure – com telediscos, algumas conversinhas com a banda e umas imagens tiradas antes e depois dos concertos. Depois, abalancei-me a «Westway to the World», sobre a ascensão e queda dos Clash (boa malha; mas, ainda assim, inferior a essa bomba que é o documentário de Julian Temple sobre os Sex Pistols).
Nestes últimos dias, assisti a «Umbrellas in the Sun», com umas imagens maradíssimas dos arquivos da Factory, da Factory Benelux e da Les Disques du Crepuscule e ainda ao DVD de uma rapaziada bostoniana chamada Pixies. (Tenho ainda para ver um documentário que me soa a chatice das grandes - «Looking for a Thrill – An Anthology of Inspiration», com depoimentos sobre «instantes de iluminação criativa» de gente como Jon Spencer, Thurston Moore e Kurt Wagner).
Detenhamo-nos no DVD dos Pixies – aquele de que provavelmente mais gostei. Traz um concerto fabuloso - o concertaço de Londres, em 88. Traz uns simpáticos telediscos. Traz umas imagens estilo vídeo amador captadas durante uma digressão pelos EUA e pela Europa. E ainda um documentáriozinho em que uma data de deuses (tipo Bono e Bowie) se ajoelha perante Black Francis, David Lovering, Kim Deal e Joey Santiago.
Mas não foi isso que me ficou do DVD dos autores de «Surfer Rosa», um dos álbuns da minha viducha adolescente (portanto da minha viducha tout court). O que me ficou do visionamento do filme foi a camisa cor de rosa (como o surfista, pois) de alças de David Lovering, o baterista de serviço (e que baterista de serviço). Uma camisa que, note-se, o inquieto David usa mais do que uma vez durante as filmagens. (Até, se não estou em erro, enverga-a durante uma passeata, com a dona Kim, pelas ruelas de Veneza).
O que me ficou foi, pois, este pormenor divertido: numa altura em que andávamos todos de preto, com os casacões dos nossos bisavós e uma pose mais depressiva do que a filmografia do Visconti, um dos nossos maiores ídolos andava por aí com uma camisa exuberantemente pirosa - que podia muito bem ser propriedade de um emigrante a passear em São Miguel, no Campo de São Francisco, durante as festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres. NCS
(Texto publicado no suplemento SARL, do Jornal dos Açores)

2 Comments:

Blogger emmalou said...

Misspelledauctions.com You can find some good bargains with this site. Just search for camera and try it. The site allows you to search eBay using misspelled words and you can find great deals because you dont have as many bidders bidding against.

1:42 da manhã  
Blogger João Pedro said...

Os telediscos acredito que não tenham sido muitos. Não era essa a actividade preferida do renascido grupo. Mas o concerto de Londres, esse, deve ter sido de estrondo. como aliás todos os que eles faziam antes da separação.

3:07 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home