segunda-feira, maio 02, 2005

Que seca: mais um disco bom



Isto está a ficar uma chatice: todas as semanas sai um disco bom. Corrijo: todas semanas sai um disco muito bom. O que só vem complicar as coisas. Quer dizer, anda aqui um gajo a preparar uma tese à Fukuyama sobre o fim da História da Música (já tem notas de rodapé em carteira e tudo) e aparecem uns tipos quaisquer julgando que têm o direito de lançar obras-primas. Não está certo.
Primeiro vieram os Franz, a provar que ainda é possível criar um som totalmente novo e personalizado a partir de gente como os A Certain Ratio ou os Orange Juice. Depois foi o Antony, com a sua voz sublimemente trágica e indefinível, de fazer chorar até quem julgava que já não tinha coração. E ainda os Arcade Fire, uma fusão originalíssima entre os Pulp e os Go-Betweens. E agora vem um puto sueco de 23 anos chamado Jens Lekman para nos dizer que ainda é possível a surpresa no formato cançoneta romântica. (E eu aqui a pensar que os Magnetic Fields tinham esgotado o assunto no tratado 69 Love Songs).
Já para não falar, é claro, de malta cá da terra (à semelhança da Maria Albertina) como os Humanos, autores de um disco magnífico. (O senhor Júlio da farmárcia falou muito bem do disquito dos Old Jerusalem, só que ainda não o ouvi). Estou mesmo a ver. Daqui a nada transformo-me num daqueles tipos que todas as semanas arranjam uma namorada nova e quando chegam à mesa de snooker lá do bairro gritam para os amigos: “Esta é a mulher da minha vida!”. Ou o Armando da banca de jornais que, depois de se masturbar, chega e diz... Bom, é melhor ficar por aqui.
Para citar Chico Louçã, convém falar claro. O disco da minha vida é, neste momento, When I Said I Wanted To Be Your Dog. Não sei a que raça se refere o Jens, mas presumo – a bem do bom gosto e da decência – que se refira a todas as raças excluindo o caniche e o fedorento da minha vizinha de baixo (não sei qual é a raça mas é uma má raça, com certeza). Escolho o cão de fila de São Miguel. Ou o labrador retriever. Ou então o chiquabukata chi pon li (um tipo de canídeo que só se encontra na Coreia do Norte).
O que está a dar é ser secretamente canadiano (e não, não estou a falar do Leonard, o irmão mais velho dos irmãos Cohen). Sim, trouxe para casa o disco do Jens Lekman porque vi que era editado pela Secretly Canadian, a editora que deu à luz os dois do Antony e dos Johnsons. Só podia vir boa coisa dali.
Não vos quero maçar com descrições poéticas. Era homem para isso. É como nas relações: quando um tipo está apaixonado o melhor é fechar-se em casa e fazer coreografias a solo até à cozinha. Quem é que quer ouvir a descrição pormenorizada sobre o “sublime” tipo de pasta de dentes usado pela Robertinha, manicure em Queluz de Baixo?
O melhor é ser seco na descrição. Penso no disco e vem-me à cabeça: bom gosto; uma voz convincente; boas, muito boas canções; (e talvez sobretudo) letras do caraças. Exemplo 1: «Drinking cheap wine to bossanova, you’re a supernova in the sky. The Jehovas in their pull-overs are no casanovas like you and I”. Exemplo 2: When people think of Sweden I think they have the wrong idea, like Cliff Richards who thought it was just porn and gonorrhoea”.
Às vezes, Jens faz o seu sapateado entre os Divine Comedy e os Magnetic. Mas, tal como todos os que elenquei em cima, acrescenta muito do seu génio - do seu toque de bola. Só me preocupa mesmo o facto de o rapaz ser sueco. A vida é bela. Vá, não te amandes do prédio. Afasta-te dessas lojas de armas, ó Jens. A gente precisa muito de ti. NCS
(texto publicado ontem no jornal A Capital)

5 Comments:

Blogger Rui Coutinho said...

Nuno
Lá o ouviremos. E quanto a corrigir, corrige o corrijo.
Um abraço

4:45 da tarde  
Blogger Nuno said...

Ah pois, se corrijo. Abraço, Rui

6:04 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Não sei porque é que associas Queluz de Baixo com manicures...se não conheces Queluz devias ir lá. Já agora aparece, lá em Queijas que tu vais ver!
Assinado: Passa mais Chulage!

10:59 da manhã  
Blogger Nuno said...

Obrigado mas a minha onda é mais Micro e Melo D.

11:35 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Melo D ou Micro D, não intresa. Tem mazé cuidadinho, porque táste a esmifrar e olha k o pessoal de queluz de baixo faz-ta folha. kem t avista teu amigo é,

Chulage hardcore

6:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home